O encontro de Manoel Eduardo Ferreira com o Professor Kerr, geneticista do Departamento de Genética da Abelha da Universidade de São Paulo, um grande adepto da apicultura, deu início ao que viria a tornar-se a maior produtora e exportadora brasileira de Própolis. Logo depois, em 1982, juntamente com Raul de Barros Ferreira e Antônio Carlos Meda, fundaram a Apis Flora. Foi em Ribeirão Preto, São Paulo, e cedo aliaram a sua atividade à investigação científica sobre o Própolis Verde, própria e em parceria com o meio académico, o que veio a ser determinante no seu sucesso.

Tivemos a oportunidade de entrevistar a Dra. Andresa Berretta (na imagem), responsável técnica e I&D da Apis Flora. Mestre em Fármacos e Medicamentos, com doutoramento em Medicamentos e Cosméticos e pós-doutoramento em Biologia Molecular pela Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo. É também, entre outros, a Coordenadora eleita pelos países membros da ISO para liderar a Elaboração do Primeiro Padrão Internacional de Própolis.

Pode falar um pouco sobre a aventura da Apis Flora?

Dra. Andresa Berretta: A Apis Flora foi a primeira empresa brasileira a trabalhar com extrato de própolis. Nasceu da busca de produtos das abelhas de alta qualidade e totalmente naturais para os cuidados com a saúde. A própolis era até então um subproduto que “atrapalhava” a produção de mel. Logo depois de introduzirem o conceito do extrato de própolis e iniciado estudos demonstrando os seus benefícios e propriedades para a saúde, em parceria com conceituadas universidades brasileiras, houve uma mudança importante no cenário apícola. Posteriormente, investigadores passaram a trabalhar com estudos direcionados para as boas práticas de manejo na produção de própolis e passou a haver apicultores direcionados para a produção de própolis, inclusive com rainhas focadas nessa produção.

Em suma, a Apis Flora que trabalha com pesquisa e inovação em seus produtos e processos desde a fundação, tornou-se líder isolada no mercado brasileiro de própolis, de acordo com a recente pesquisa da IQVIA. Ainda mais, a sua infraestrutura e tecnologia são inigualáveis, proporcionando-lhe a capacidade de gerar novos conceitos de produtos com tecnologia própria e patenteada, o que a mantém sempre na vanguarda do seu segmento.

Recolha de favo de Própolis

Pode falar sobre a patente EPP-AF aplicada à formulação da linha Própomax?

Dra. Andresa Berretta: A Própolis é um produto muito variável. É produzido pelas abelhas a partir de resinas e exsudatos vegetais. Considerando as dimensões e biodiversidade de um país como o Brasil, é natural que haja uma grande diversidade de própolis. A fim de focar a sua produção em produtos padronizados e direcionados para a saúde, a Apis Flora desenvolveu uma mistura específica e padronizada. Tanto do ponto de vista de processo como das caraterísticas físicas, físico-químicas e biológicas, a que chamou Extrato Padronizado de Própolis (EPP-AF). Isso garante que toda a linha que contém o EPP-AF é padronizada e reprodutível lote-a-lote. Um importante diferencial no mercado que recebeu aliás uma importante premiação, para a empresa e para a sua líder de I&D, num recente Congresso Internacional sediado na Turquia.

Colheita de Própolis

Como demonstra cientificamente o interesse clínico da vossa mistura patenteada de própolis verde dominante com própolis castanho EPP-AF?

Dra. Andresa Berretta: O interesse científico nesta patente pode ser visto quando faz uma busca no portal Google Académico. Têm sido realizadas diversas pesquisas com o extrato padronizado da Apis Flora (EPP-AF). Para investigadores, prescritores, médicos, farmacêuticos, nutricionistas e demais profissionais da saúde é importante garantir a funcionalidade e segurança das suas prescrições. Trabalhar com um produto padronizado equivale a garantir os efeitos esperados e publicados para esse produto, pois as variações químicas, botânicas, de formulação ou de processo afetam diretamente os resultados biológicos do produto. O EPP-AF é padronizado, com diversos estudos publicados (desde culturas celulares até estudos clínicos) que demonstram a sua eficácia e segurança em vários modelos e estudos clínicos, o que é um fenómeno único no mercado internacional.

Recolha de Própolis

Por fim, partilhamos que no próximo dia 2 de setembro, pelas 14h00,  no Hotel Boa-Vista no Porto, a Dra. Andresa Berretta irá animar uma formação presencial onde fará um “Ponto sobre a investigação científica e clínica do própolis”. Esta formação é direcionada para clientes, terapeutas e farmacêuticos da Virya Saúde Natural.

A Dra. Berretta estará de passagem no Porto no regresso da reunião na Turquia do Grupo Internacional para a Padronização do Própolis, a que preside, aproveitando para visitar  o Instituto Politécnico de Bragança onde decorre uma parceria de investigação sobre o própolis.

Informamos que as inscrições, ofertas pela Virya, são limitadas, obrigatórias e reservadas a profissionais de saúde.

Estamos a estudar a possibilidade de transmitir a formação por Zoom. Inscreva-se aqui na formação presencial.




Formulário de Contacto


    Partilhar: