O que são antioxidantes?

O nosso corpo é uma máquina incrivelmente funcional, que mantém constantemente um estado estacionário chamado homeostase. Células são construídas, outras são desligadas se forem prejudiciais ou simplesmente velhas ou perderem a funcionalidade. Os invasores são detetados e eliminados para não prejudicar o corpo.

Um desses mecanismos é o desenvolvimento de “Radicais Livres”. Essas moléculas importantes estão envolvidas em muitos processos, como o controle do tónus ​​vascular e, portanto, da pressão arterial, ou o combate a micro-organismos. Muitos desses radicais livres são necessários para a vida, mas é preciso haver um equilíbrio porque, caso contrário, podem causar danos às células.

Os radicais livres têm uma estrutura química instável. Para uma rápida atualização química: eles perdem um eletrão e é por isso que procuram ligar-se a qualquer coisa que surja no seu caminho e lhes dê um eletrão. É isso que pode torná-los perigosos, pois pode provocar reações em cadeia nas respostas imunológicas, danos celulares, destruição de tecidos saudáveis ​​e um processo de envelhecimento acelerado.

Os antioxidantes são a contrapartida dos radicais livres. Eles podem ligar-se a eles e torná-los inofensivos. Se o equilíbrio entre antioxidantes e radicais livres for perturbado, é provável que ocorram danos às células. Este dano é o que se chama “Stress Oxidativo”.

O que acontece no corpo é semelhante à maçã que escurece depois de cortada. Como provavelmente sabe, pode interromper esse processo com sumo de limão. E aqui está o momento “aha”: isso deve-se ao facto de o limão conter vitamina C, um antioxidante muito potente.

Basicamente, os antioxidantes são importantes porque ajudam a interromper os processos oxidativos que podem prejudicar o corpo.

O que causa o desenvolvimento de radicais livres ou o stress oxidativo no corpo?

Stress ambiental:

• Radiação ultravioleta (UV)

• Micróbios

• Alergénios

• Poluição

• Aumento de ozono

• Fumo do tabaco

Stress corporal:

• Má saúde intestinal

• Má nutrição (baixa ingestão de antioxidantes)

• Dieta rica em açúcar

• Pesticidas nos alimentos

• Gorduras trans (em alimentos fritos ou assados)

• Altas quantidades de stress emocional e físico

Podemos ajudar o nosso corpo a produzir mais antioxidantes evitando os fatores de risco, quando é possível. Uma dieta plena de alimentos ricos em antioxidantes é a chave para evitar o stress oxidativo.

Diferentes tipos de antioxidantes:

Há inúmeras moléculas com caraterísticas antioxidantes. Vamos dar uma olhada nas mais importantes:

• Vitamina C: é uma vitamina essencial e solúvel em água; o corpo não consegue produzi-la por conta própria, por isso deve ser fornecida pelos alimentos. Pode ser encontrada em grandes quantidades na acerola, pimentão, espinafre, limão, salsa, brócolos e muitos mais.

• Glutatião: é composto por três aminoácidos do fígado, por isso é essencial. Alimentos ricos nesses três aminoácidos são: ovos, carne bovina, sementes de girassol.

• Melatonina: uma hormona responsável pelo nosso relógio biológico. Pode ser o antioxidante lipofílico mais eficaz. Existe alguma melatonina que ocorre naturalmente em alimentos como as cerejas, bananas ou uvas e, boas notícias, em vinho e cerveja.

• Vitamina E: uma vitamina solúvel em água com potentes caraterísticas antioxidantes. Pode ser encontrada em moluscos, espinafres, acelgas e azeite.

Pontuação dos alimentos ricos em antioxidantes (em ORAC*):

Camu camu: 52.000

Chocolate amargo: 20.810

Noz de Pecan: 17.940

Sabugueiro: 14.697

Mirtilos: 9.621

Alcachofra (fervida): 9.416

Arandos: 9.090

Feijão vermelho: 8.606

Amoras: 5.905

Coentros: 5.141

Romã: 4.479

Goji: 4.310

* ORAC significa “Capacidade de absorção do radical de oxigénio”. Os valores foram detetados inicialmente in vitro pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), que abandonou a classificação ORAC em 2012, informando que não existiam evidências fisiológicas in vivo para apoiar a teoria dos radicais. No entanto, muitos especialistas são de opinião que quanto maior o valor ORAC de um alimento, maior é a probabilidade de ter efeitos antioxidantes e, portanto, protetores do organismo – pode consultar mais informações aqui.

Que quantidade de antioxidantes devemos comer?

Dicas de consumo:

Sugere-se tomar pelo menos 3 dos alimentos com alto teor de antioxidantes (da lista acima dos 10 principais ou outros) todos os dias.

Se consumir demasiados antioxidantes, suprime a capacidade do próprio corpo ativar o sistema de defesa antioxidante. Felizmente, é difícil isso acontecer a partir da sua dieta e é por isso que a maioria dos especialistas recomenda que nos fiquemos por fontes naturais. Sempre que tiver a opção de comer alimentos como maçãs, batatas ou uvas, coma-os com a pele.

Benefícios para a saúde dos antioxidantes:

• Aumentar a saúde do cérebro

• Diminuir o stress oxidativo

• Prevenir o cancro

• Proteger a visão

• Manter os pulmões saudáveis

• Ajudar o crescimento do cabelo

• Manter a pele saudável e brilhante

Conclusão:

Os antioxidantes ajudam a proteger o organismo contra os radicais livres possivelmente prejudiciais. O stress oxidativo causado por fatores de risco endógenos (internos) e exógenos (externos) pode levar a danos celulares e acelerar o processo de envelhecimento. Comer uma dieta equilibrada com alimentos ricos em antioxidantes, bem como evitar fatores de risco exógenos, pode ajudar o corpo a manter-se jovem e saudável.

Para aumentar a ingestão de antioxidantes, verifique nossa mistura de superalimentos em pó Super Antiox.




Formulário de Contacto


Partilhar: